Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira
Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira

Expedição Gastronômica - Terras Altas da Mantiqueira

Postado em:
Blog - Educação Queijeira
- 30/04/2019 16:16:33

Assim foi a nossa primeira expedição...

Dia 1
O CUIDADO COM A TERRA..
Sair de um grande centro urbano rumo ao campo é um convite à reflexão. Ainda no ônibus fomos convidados a observar a mudança de paisagem. Primeiro o paradoxo da cidade grande: muitos carros, muitas pessoas, muita construção. Mesmo num dia de feriado foi possível perceber o ritmo acelerado em contraste com a velocidade em que prosseguíamos diante de tantos sinais de trânsito. Depois a estrada e o movimento constante que permitiram sentir a transição de ares. Ao fim, as estradas de terra e paisagens magníficas nos fizeram lembrar das belezas de nosso país.
Chegamos à Reserva do Sauá depois de 6 horas de viagem. O cansaço foi esquecido diante de uma recepção acolhedora na casa da Lóla que nos aguardava com deliciosos aromas que chegavam do fogão à lenha onde repousava uma panela de Bobó de Truta. Tempo de se acomodar e sentir o clima do campo. Depois de um delicioso almoço, subimos as montanhas de Aiuruoca para conhecer o Olival, acompanhados da Isabel e da Elisa que nos contaram sobre a decisão de tornar aquele local, antes área de pasto, em um Olival de manejo orgânico. As histórias de força, coragem, resiliência e cuidado com a Terra, junto com o cair da tarde, os lindos raios de sol que iam se escondendo atrás dos morros e aquela temperatura deliciosa da serra nos inspiraram e nos fortaleceram! Deixamos a Reserva com a certeza de que voltaremos!   

HISTÓRIAS DE VIDA.. VIDA DE HISTÓRIAS!
Mais meia hora nas estradas de terra mineiras e chegamos ao sítio Corguinho. Humberto nos esperava com seu jeito alegre e agitado. Fomos recebidos com uma linda mesa de queijos Capital de diferentes processos e maturações. Na sala de convivência da queijaria ele nos contou sua história de vida e sua paixão pelos queijos. É emocionante poder ouvir essas trajetórias e perceber a luta cotidiana dos produtores de queijo artesanal brasileiro. Ouvimos seus relatos até anoitecer, provando queijos maravilhosos, enriquecidos com amor e dedicação. Seguindo a visita, fomos até a queijaria onde Humberto explicou cada fase do processo da magia de transformar leite em queijo. Passamos no curral, aprendemos o caminho da ordenha e encerramos a visita na sala de maturação natural, preenchida de queijos com mofos e ácaros. Já na cidade de Alagoa, passamos na loja onde são comercializados os queijos Capital e outras delícias artesanais.
Seguimos para Passa Quatro, onde Tereza, Dada e Zizi nos aguardavam, às 23h30, para um delicioso frango caipira!

Dia 2
MÃO NA MASSA!
Dia de aprender, na prática, a produção de queijo. Tereza conduziu uma oficina onde pudemos acompanhar a transformação do leite na massa dessorada que antecede o queijo. Entender o processo do soro-fermento, ou “pingo” foi fundamental para compreender o sentido de “terroir” dos queijos e toda sua relação com o gado, as pastagens, o clima e a mão do Homem. A comprovação dessa identidade particular dos queijos da Fazenda Santo Antônio foi a visita às câmaras de maturação com variados tipos de queijos e seus aromas encantadores!
Seguimos para o almoço. Dessa vez Tereza e equipe prepararam um delicioso leitão acompanhado de arroz, feijão, couve e saladas. Abrimos nossas cervejas cariocas para celebrar esse encontro Rio-Minas com produtos artesanais e de sabor autênticos! A farra foi tão grande que nos estendemos além de nosso horário. Mas nada que alguns minutos de descanso no ônibus não resolvessem antes da nossa próxima parada.

CONHECIMENTO, TÉCNICA E SIMPATIA!
Não basta conhecer bem seu produto, é preciso receber bem as pessoas para apresenta-lo, certo? E foi isso que percebemos durante toda a explicação da Dani, grávida de 7 meses, sobre a Cachaçaria Excelência. Com toda a simpatia e dedicação, ela nos levou em todos os cantos para que pudéssemos acompanhar o processo da arte de transformar cana em cachaça. No final, uma excelente degustação com orientações técnicas sobre cada tipo da bebida e a forma correta de degustar. Inebriante!

ACOLHIMENTO E BELEZA.
De lá, seguimos para a cervejaria Gaulesa, onde o Rafa, com sua timidez e carinho, nos deixou super à vontade para experimentarmos as delícias que seu pai anda produzindo. Nos sentimos em casa. E que casa! Cuidados nos mínimos detalhes que embelezaram o ambiente e nosso fim de tarde. Momento de confraternização e boas conversas.

CONFRATERNIZAÇÃO, CERVEJA, QUEIJO E ALEGRIA!
Depois seguimos para a pousada onde Tereza e equipe estavam finalizando uma deliciosa massa com três tipos de molho. O Clube aproveitou esse momento para servir alguns queijos acompanhados de mais cervejas cariocas. Conversamos sobre os processos de harmonização e brindamos à boa comida e boa bebida. Uma noite muito alegre depois de um dia cheio de encantos e aprendizagem.

Dia 3
QUEIJOS DE BÚFALA
Deixamos Passa Quatro rumo à Itanhandu para visitar o Laticínio Pérola da Serra. No meio de tanta vaca, Carlos e seu filho, Pedro, resolveram investir nas búfalas. Mais uma recepção carinhosa e com direito a toda explicação do processo dos queijos de búfala. Conhecemos também o antigo silo que hoje é uma câmara de maturação natural, onde a família matura o parmesão de búfala. Uma delícia!

HISTÓRIA E GASTRONOMIA
Encerrando nossa expedição, seguimos para Silveiras, onde fomos recebidos pelo Chef Rafa Bocaina que nos contou sobre a história da comida mineira, que, segundo ele, se confunde com a história da comida do sudeste e da comida tropeira. Uma palestra enriquecedora com muitas informações históricas. Nos contou também sobre seu trabalho com os porcos caruncho. Um resgate do porco tradicional da região. Depois da aula, um delicioso almoço com a típica comida tropeira!
E essa foi nossa primeira aventura expedicionária! Em breve, novas rotas e novas histórias!

Categorias

Fique informado!

+ Posts

Kit Maio/2019
Kit Maio/2019
Kit Abril/2019
Kit Abril/2019
Kit Março/2019
Kit Março/2019
Kit Fevereiro/2019
Kit Fevereiro/2019
Kit Janeiro/2019
Kit Janeiro/2019

Receba novidades por email

E-mail cadastrado com sucesso.